Pesquisar algo

Planetas, Planetas Anões e Pequenos Corpos do Sistema Solar

União Astronômica Internacional (UAI), é um grupo de cientistas e pesquisadores da área de Astronomia, responsáveis por sistematizar alguns conhecimentos desta área do conhecimento. Em 2006, em uma conferência realizada na República Checa, foram definidos alguns parâmetros e definições acerca de conceitos que há muito tempo estão no nosso cotidiano. Desta maneira foram lançadas algumas resoluções, que estão disponíveis no site oficial. (Acesso as resoluções B5 e B6 originais em formato pdf aqui).

Segundo essa União "a palavra Planeta originalmente descreve os 'errantes' que eram conhecidos somente como pontos de luz que se moviam no céu. Recentes descobertas nos forçaram a criar uma nova definição, a qual nós fazemos uso de toda a informação científica corrente disponível". A União Astronômica Internacional, através da Resolução B5 portanto resolve que "planetas" e outros corpos do nosso Sistema Solar, exceto os satélites, serão definidos em três categorias distintas do seguinte modo:


  • Um Planeta é um corpo celestial que:
- está em órbita ao redor do Sol;
- tem massa suficiente para que sua auto-gravidade relacionada com as forças de corpo rígido permitam que ele assuma uma forma em  equilíbrio hidrostático (forma arredondada) e;
- tem limpa a sua  vizinhança ao longo de sua órbita.

Os oito "planetas" são portanto: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. Estes planetas são divididos habitualmente em dois grupos: Os quatro primeiros a partir do Sol são os planetas terrestres, também chamados de telúricos ou interiores (Mercúrio, Vênus, Terra e Marte), formados principalmente por rochas e silicatos.

Os quatro seguintes são os planetas jovianos ou exteriores (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno), considerados como planetas gasosos. Os planetas terrestres recebem esta denominação pois são planetas sólidos e que possuem superfície rígida. De Júpiter a Netuno, os planetas são gasosos e não têm superfície sólida que se possa pisar sem afundar. 

O Sistema Solar e os Planetas
Fonte: http://www.apolo11.com/tema_astronomia_sistema_solar.php


Informações sobre os Planetas e o caso de Plutão
Fonte: Veja


E se os outro planetas fossem tão próximos quanto a lua?
Fonte: 9gag


  • Um Planeta Anão é um corpo celestial que:
- está em órbita ao redor do Sol;
- tem massa suficiente para sua auto-gravidade relacionada com as forças de corpo rígido de modo que ele assuma uma forma em equilíbrio hidrostático (aproximadamente arredondada)
- não tem limpa a sua vizinhança ao longo de sua órbita.

A resolução B6 coloca Plutão nesta categoria. No nosso sistema solar, existem cinco Planetas Anões (Plutão, Ceres, Haumea, Makemake e Éris), sendo que existem mais doze corpos celestes sendo estudados para que possam, ou não entrar nessa categoria, como o caso de Sedna.

Os atuais cinco Planetas Anões (e seus respectivos satélites naturais) e suas dimensões em comparação com a Terra (Earth) e a Lua (Luna)
Fonte: http://enigmasmisteriosmitos.blogspot.com/2011/05/planetas-anoes-no-sistema-solar-enigmas.html


  • Pequenos Corpos: 
Todos os outros objetos exceto os satélites orbitando ao redor do Sol deverão ser referidos pelo coletivo Pequenos Corpos do Sistema Solar. Dentre eles temos os Asteróides, Cometas, Meteóros e Meteoritos. A seguir uma breve descrição de cada um deles:

  1. Asteróides: objetos sem atmosfera, rochosos e metálicos que orbitam o Sol e cujos tamanhos variam de alguns poucos metros até quase 1000 km. A maioria deles se comporta de forma ordenada, orbitando em torno do Sol num cinturão de asteróides localizado entre os planetas Marte e Júpiter. Entretanto, alguns acabam saindo desta orbita, por motivos quaisquer, e podem ser uma ameaça para a Terra, pois podem atingir a nossa superfície, eventualmente. Acredita-se que os asteróides são restos do processo de formação dos planetas terrestres (como a Terra e Marte) do Sistema Solar, há 4,6 bilhões de anos atrás.

Um Asteróide
Fonte: http://www.observatorio.ufmg.br/pas03.htm

O Cinturão de Asteróides (entre Marte e Júpiter)
Fonte: http://www.crystalinks.com/asteroidbelt.html


Cometas: possuem órbitas elípticas, que ora os trazem próximo ao Sol e ora os levam longe no Sistema Solar. Os núcleos dos Cometas são como que imensas pedras de "gelo sujo", formados por uma mistura de material volátil (que quando aquecido passa diretamente do estado sólido para o estado gasoso) e grãos rochosos/metálicos de tamanhos variados. Quando um Cometa se aproxima do Sol (e consequentemente da Terra) grande parte do material que forma o Cometa se volatiza, dando origem à sua cabeleira e à sua cauda. A cabeleira que circunda o núcleo de um cometa e a sua cauda, empurrada pelo "vento solar" (no sentido oposto ao que o Sol se encontra), são formadas assim de gases e poeira que se desprendem desse núcleo. Mais de 99% da massa de um Cometa está localizada em seu núcleo. Pelo fato destes núcleos quando se aproximam da Terra estarem envoltos em suas cabeleiras, não nos é possível vê-los. Um Cometa pode ainda ser visto como uma espécie de "sobra" do processo de formação dos grandes planetas gasosos do sistema solar, como Júpiter e Saturno.

Como o vento solar sopra em todas as direções, a direção da cauda de um cometa sempre aponta na direção contrária à que está o Sol
Fonte: http://www.todooceu.com/detalhamento/generalidades_cometas.html


O Cometa Halley
Fonte: http://astronomiareal.blogspot.com


Meteóros: Quando um pequeno corpo qualquer corpo entra na atmosfera terrestre, ele é considerado como um Meteoro. Na verdade, o termo vem do grego metéoros que significa "coisas do ar". Portanto a chuva, o vento, o rastro de um meteorito, uma nuvem ou um arco-íris podem ser chamados de meteoros, pois são fenômenos que ocorrem no interior da nossa atmosfera (dai vem o nome meteorologia, dado à ciência que estuda os fenômenos atmosféricos).

Para a Astronomia, um Meteoro designa o fenomeno luminoso observado quando existe a passagem de um meteoróide pela atmosfera terrestre podendo ser chamado também de Estrela Cadente. Cabe ressaltar que os Meteoros nunca atingem a superfície terrestre, pois se desintegram ao entrar na atmosfera devido ao atrito causado pelo contato do pequeno corpo com a atmosfera.

 
Um Meteoro de desintegrando na atmosfera
Fonte: http://www.nightsky.ie/2010/08/the-perseids-meteor-shower-is-coming/


Meteoritos: É a denominação dada quando um meteoróide qualquer, formado por fragmentos de asteróides ou cometas ou ainda restos de planetas desintegrados, que podem variam de tamanho desde simples poeira a corpos celestes com quilômetros de diâmetro, alcançam a superfície da Terra. Ao contrário dos meteoros, os meteoritos que atingem a superfície da Terra não são consumidos completamente pelo fogo decorrente do atrito da atmosfera.

 
Uma cratera de Meteorito no Arizona, Estados Unidos, vista por três diferentes ângulos
Fonte: http://kaganga.com/i-want-to-know/arizonas-meteor-crater.html


Abaixo, algumas ilustrações exemplificando as diferenças existentes entre os Meteóros e Meteoritos:

As principais características dos Meteoróides, Meteóros e Meteoritos
Fonte: http://astronomia12a.blogspot.com/2008/02/meteoriide.html

Ilustração representando os Meteoros e Meteoritos
 Fonte: http://www.e-voo.com/forum/viewtopic.php?p=492795



Fonte do texto acima: http://professoralexeinowatzki.webnode.com.br/

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.